Óculos causa dependência?

Muitos temem começar a usar óculos e não conseguir mais ficar sem eles. A falta que os óculos fazem não significa dependência. É simplesmente sinal de que os óculos prescritos melhoraram a qualidade visual e a pessoa se habituou ao que é mais confortável. Quando estiver sem óculos, sua condição visual retorna ao padrão anterior à correção.

Óculos podem ser inconvenientes em algumas circunstâncias. Atualmente, existe grande variedade de lentes de contato permitindo adequação às características de cada paciente. Cirurgias reparadoras de miopia, astigmatismo e hipermetropia podem ser consideradas, para adultos, com indicação criteriosa.

A falta do uso dos óculos acarreta em aumento do grau?

Não. O avanço da miopia, astigmatismo e hipermetropia está relacionado a fatores genéticos e, excepcionalmente, ambientais. A frequência de uso dos óculos corretivos não estaciona nem regride o grau das lentes prescritas.
A importância das crianças usarem regularmente os óculos, se deve ao fato da via óptica depender de uma transmissão nítida da imagem para se desenvolver adequadamente.

Quais os riscos do uso indiscriminado das lentes de contato?

É muito importante que a adaptação de qualquer tipo de lente de contacto seja feita por um médico oftalmologista, é ele quem está preparado para selecionar a melhor lente para cada pessoa.

As lentes de contato gelatinosas são as mais utilizadas e são lentes que atualmente proporcionam uma ótima adaptação para os usuários, devido ao excelente conforto. É muito difícil para o paciente perceber se a lente está ou não causando prejuízo à saúde da córnea, isto é, se ela esta frouxa ou apertada para aquele olho.

O usuário deve prestar atenção no tempo de uso das lentes, principalmente as descartáveis, obedecendo o prazo para descarte. Se a lente é feita pra ser usada por 15 dias ela deve ser jogada fora após este período pelo risco que a extensão do prazo pode trazer, que vai desde piora da visão e olho vermelho até ulceras de córnea que podem comprometer seriamente a região, podendo causar deficiências visuais permanentes.

As lentes rígidas, as siliconadas e gás permeável são ótimas opções que não devem ser abandonadas e são alternativas para a correção principalmente para o astigmatismo.

Hoje já dispomos de lentes gelatinosas para a correção de astigmatismo e para a correção de vista cansada, a presbiopia, que é a dificuldade de leitura para perto que começa após 40 anos de vida, portanto consulte-nos e avalie qual as suas opções para corrigir o seu problema através das lentes de contato.

Dor de cabeça é falta de óculos

A falta de óculos, assim como outras doenças oftalmológicas, podem causar dor de cabeça.

O esforço que os olhos fazem para proporcionar o ajuste do foco pode causar desconforto, percebido pelo paciente como dor de cabeça frontal.

Normalmente essa dor piora devido ao esforço cumulativo ao longo do dia.

A avaliação da disfunção ocular associada à dor de cabeça é feita por exame oftalmológico minucioso com dilatação pupilar, que permite minimizar a contratura da musculatura ocular e seu efeito compensatório sobre o cristalino, revelando o grau refrativo real do paciente.

É importante, portanto, ter ciência de que dor de cabeça crônica pode ser decorrente de problemas oculares. O uso de medicamentos sintomáticos sem orientação médica pode retardar o diagnóstico da causa.

Todos os colírios são iguais? Eles podem nos fazer mal?

Alguns acreditam que os colírios são todos iguais e que, por serem de aplicação local, não causam efeitos indesejáveis. Isto não é verdade. Colírios são medicamentos e não devem ser usados sem orientação médica.

Colírios feitos à base de cortisona podem ajudar em processos de inflamação intensa e aguda. Porém, se usados em doses erradas, ou em casos de sensibilidade aumentada à esta droga, podem causar opacificação do cristalino (catarata) ou glaucoma. Apesar de eficiente droga anti-inflamatória, pioram quadros de doenças causadas por herpes vírus (causa relativamente frequente de infecção ocular).

Já os colírios usados em casos de conjuntivite bacteriana têm composição antibiótica como comprimidos e xaropes desta classe medicamentosa. São vendidos somente sob receita médica pois seu uso indiscriminado pode contribuir para seleção de microrganismos mais resistentes.

Ainda, colírios que contêm beta-bloqueadores, usados no tratamento de glaucoma, podem determinar efeitos em outros órgãos, como bronquite asmática.

Quais as causas do "olho vermelho"?

O fato de seus olhos ficarem vermelho pode significar, inúmeros problemas. Nem sempre o olho vermelho significa conjuntivite. Existem inflamações e infecções oculares que podem tornar seus olhos vermelhos.

Doenças sérias como uveíte também podem causar olho vermelho. Uveíte é uma inflamação dentro dos olhos e tem como sintomas além da vermelhidão, um abaixamento da visão do alho doente. Outra causa de olho vermelho é uma inflamação da parte branca dos olhos , muito comum , em moradores de cidades poluídas , como São Paulo, que é chamada de esclerite, ou episclerite,

Outras causas de olho vermelho são doenças de córnea como úlceras de córnea e lesões causadas pelo vírus herpes, a ceratite herpética. Os usuários de lentes de contacto ao menor sinal de vermelhidão devem interromper o uso das lentes, e procurar um oftalmologista.

As alergias também são causas frequentes deste tipo de problema. O glaucoma pode causar vermelhidão ocular, portanto, não pense que olho vermelho é sinônimo de conjuntivite, procure seu médico que ele poderá diagnosticar e orientá-lo sobre qual a melhor forma de tratar o problema de uma forma segura.

Sugestão

O fato dos olhos ficarem vermelhos pode significar inúmeros problemas. A razão mais frequente para esta ocorrência é a conjuntivite. Porém, outras inflamações e infecções nas câmeras anterior, intermediária e posterior do olho podem apresentar, como sintoma inicial, vermelhidão ocular.

A uveíte é a inflamação de uma estrutura localizada na câmara intermediária e tem como sintoma, além da vermelhidão, piora da acuidade visual. A esclerite, ou episclerite, que também se manifesta com vermelhidão dos olhos, se deve à inflamação da parte branca dos olhos, ocorrendo predominantemente nas populações que residem em grandes centros urbanos onde o ar é muito poluído.

Outras causas são as doenças da córnea, como lesões causadas pelo vírus herpes (ceratite herpética) e ulcerações decorrentes de trauma por lentes de contato mal adaptadas, corpo estranho ou ressecamento.

Causas alérgicas, assim como algumas infecções virais mais brandas, podem se resolver espontaneamente ou com auxílio de colírios lubrificantes e anti-inflamatórios. Entretanto, a demora em procurar um oftalmologista pode retardar o diagnóstico de doenças de tratamento mais complexo, como as uveítes e o glaucoma, agravando o seu curso. Usuários de lentes de contato devem interromper o uso das lentes até terem seus olhos examinados.

O uso do computador é prejudicial?

O computador por si só não pode ser culpado de todos os males de que tem que usá-lo constantemente. Sabemos que a incidência da luz e a posição do micro podem influenciar num melhor conforto ou não de seu usuário. Certifique-se primeiro que sua postura esteja correta, a sua cabeça deve ficar em uma altura onde os olhos possam confortavelmente enxergar a tela , que esta não fique nem muito alta nem muito baixa.

O ambiente onde a pessoa trabalha também deve ser avaliado, pessoas que já tem uma maior deficiência de lagrima e trabalham com micro em ambientes com ar condicionado tem uma maior propensão a ter desconforto com o uso do computador.

Devido à atenção despendida de quem esta digitando, o paciente tende a piscar menos, e com isto lubrificar menos a córnea, aumentando o desconforto relacionado ao olho seco. Um outro fator que deve ser examinado é se o paciente possui alguma deficiência visual, onde a simples ajuda de óculos pode melhorar os sintomas.

Existem alternativas para este tipo de desconforto, os colírios lubrificantes podem ajudar muito os usuários de micro, os intervalos de leituras, isto é, pausas programadas na leitura também podem melhorara a sintomatologia.

Como é a visão das crianças? Quais as doenças mais comuns?

O recém-nascido apenas percebe luz e vultos, os quais ainda não sabe interpretar. Com o passar dos meses, se estiver tudo em ordem com seus olhos, irá desenvolvendo progressivamente sua visão, que deve estar ao redor de 5 anos semelhante a visão de um adulto.

É muito importante que as crianças após os 6 meses de vida não apresentem nenhum tipo de desvio ocular. Após este período a visão binocular esta formada e, portanto, os olhos devem trabalhar em paralelo.
Toda criança deve ser avaliada por um oftalmologista, não existe idade mínima. O quanto antes ela for examinada melhor. É obrigação do médico e dos pais acompanhar o desenvolvimento da visão das crianças até 7 a 8 anos de idade.

As doenças mais comuns dos recém nascidos são:

Obstrução da via lacrimal (lacrimejamento maior em um olho) – esta doença normalmente é auto limitada e ao redor de 1 ano de vida os sintomas desaparecem;

Glaucoma Congênito (lacrimejamento, aversão à luz, olhos grandes) – Ocorre normalmente nos dois olhos e necessita de tratamento imediato, pois pode levar à cegueira;

Catarata Congênita (menina dos olhos branca, não fixa os objetos) – Ocorrendo nos dois olhos, o tratamento precisa ser imediato. Os cuidados com a visão devem ter início mesmo antes do nascimento.